Humanidade finalmente verá um buraco negro em 2018

Os buracos negros já são parte do conhecimento popular há algumas décadas. Sabemos que eles são lugares no espaço de onde nada, nem mesmo partículas que se movem na velocidade da luz, consegue escapar. Sabemos também que há um buraco negro enorme no meio da nossa Via Láctea – assim como em outras galáxias. Mas apesar de sabermos deles teoricamente desde Einstein, nós nunca olhamos para um, mas, segundo os especialistas, 2018 será o ano em que isso finalmente vai acontecer.

 Albert Einstein previu a existência de buracos negros em sua teoria da relatividade geral, mas mesmo ele não estava convencido de que eles realmente existiam. E, até agora, ninguém conseguiu produzir evidências concretas de que eles de fato existem. A esperança dos cientistas para mudar isso está no Event Horizon Telescope (EHT). Apesar do nome, o EHT não é só um telescópio, mas uma rede de telescópios em todo o mundo. Trabalhando em conjunto, esses dispositivos podem fornecer todos os componentes necessários para que finalmente sejamos capazes de capturar uma imagem de um buraco negro.

Um telescópio do tamanho da Terra

Para fazer isso, seria preciso um telescópio mais ou menos do tamanho da Terra – e é mais ou menos isso que o EHT é, na prática.

“Primeiro, você precisa de uma ampliação ultra alta – o equivalente a contar as covinhas em uma bola de golfe em Los Angeles quando você está sentado em Nova York”, compara o diretor do EHT, Sheperd Doeleman. “Em seguida, você precisa de uma maneira de ver o gás na Via Láctea e o gás quente que envolve o próprio buraco negro. Isso requer um telescópio tão grande como a Terra, que é onde o EHT entra”.

A equipe do EHT criou um “telescópio virtual de tamanho terrestre”, explica Doeleman, usando uma rede de radiotelescópios individuais espalhados pelo planeta. Eles sincronizaram os telescópios para que eles observassem o mesmo ponto no espaço ao mesmo tempo e fossem capazes de gravar as ondas de rádio detectadas.

Os dados do Telescópio do Polo Sul chegaram ao Observatório Haystack, do MIT, somente em dezembro, devido à falta de voos de carga na região. Agora que a equipe tem os dados de todos os oito telescópios, eles podem começar sua análise com a esperança de produzir a primeira imagem de um buraco negro.

Uma imagem de um buraco negro não só provaria definitivamente que eles existem, como também revelaria novas informações sobre nosso universo, principalmente em escalas maiores. “Acredita-se que os buracos negros supermassivos no centro das galáxias e as galáxias em que vivem evoluem ao longo dos tempos cósmicos, de modo que observar o que acontece perto do horizonte do evento nos ajudará a entender o universo em escalas maiores”, diz Doeleman.

Pés no chão

O pesquisador diz que, no futuro, os pesquisadores devem ser capazes de fazer imagens de um único buraco negro ao longo do tempo. Isso permitiria aos cientistas determinar se a teoria da relatividade geral de Einstein é verdadeira ou não na fronteira do buraco negro, além de estudar como os buracos negros crescem e absorvem a matéria.

Por mais empolgante que a pesquisa pareça, as observações do buraco negro em Sagitário A * são apenas as primeiras usando o EHT, e Doeleman está mantendo as expectativas sob controle. “Não temos garantia do que veremos, e a natureza pode nos jogar uma bola curva. No entanto, o EHT agora está funcionando, então, ao longo dos próximos anos, trabalharemos para fazer uma imagem para ver como realmente se parece um buraco negro”, garante.

Não há ainda uma data para a publicação dos resultados. Segundo Doeleman, justamente porque a equipe está trabalhando com cuidado, mas é provável que a Terra veja seu primeiro buraco negro em 2018.

Fonte: Futurism

(0)

Deixe uma resposta