Dois planetas são descobertos na borda do nosso sistema solar, e um deles pode ter vida

dois-planetas-fora-sistema-solar-2-838x560Astrônomos fizeram duas novas descobertas que podem expandir os limites conhecidos do nosso sistema solar, bem como representar os maiores avanços na busca por vida extraterrestre até agora.

Estamos falando de dois novos planetas, incluindo um parecido com a Terra que está perto o suficiente de nós para podermos estudá-lo em detalhes.

GJ 1132b

Na borda de nosso sistema solar, há um novo planeta rochoso com um tamanho próximo ao da Terra. Chamado de GJ 1132b, é a descoberta que detém o maior potencial para encontrar vida alienígena até à data.

Isso porque esse planeta está três vezes mais perto de nós do que qualquer outro objeto semelhante já encontrado orbitando uma estrela. Sua proximidade irá “permitir aos astrônomos estudar o planeta com uma fidelidade sem precedentes”, segundo Drake Deming, astrônomo da Universidade de Maryland, nos EUA. O planeta completa uma órbita ou passa sua estrela a cada 1,6 dias, proporcionando mais oportunidades de pesquisa e mensuração do que qualquer outro já visto.

O planeta foi descoberto em movimento em volta de uma estrela anã vermelha, com apenas um quinto do tamanho do sol. Ele tem um raio 16% maior que o da Terra, e temperaturas superficiais que atingem 260 graus Celsius.

Apesar de ser quente demais para manter água em estado líquido ou sustentar a vida tal como a conhecemos, é frio o suficiente para suportar alguns dos blocos básicos da vida e, possivelmente, apoiar formas vivas como as bactérias.

V774104

dois-planetas-fora-sistema-solar-838x471Os limites conhecidos do nosso sistema solar também foram ampliados com a descoberta de um planeta anão distante – três vezes mais distante que Plutão.

Estudos iniciais sugerem que o objeto, nomeado V774104, é provavelmente um corpo gelado com 500 a 1.000 km de largura, embora mais pesquisas sejam necessárias para determinar a sua órbita.

O planeta foi encontrado com a ajuda do Telescópio Subaru do Japão, localizado no topo de Mauna Kea, um vulcão adormecido no Havaí. Ele fica a 15,4 bilhões de quilômetros do sol.

Essa descoberta marca a extremidade do sistema solar e, portanto, a extremidade da influência gravitacional do sol. Também confirma que o sistema solar é muito mais complicado do que os astrônomos imaginavam anteriormente.

Limites constantemente testados

Esses novos achados parecem indicar que os planetas existem provavelmente na casa dos trilhões só em nossa galáxia.

“A razão pela qual esta descoberta é importante é que nós realmente não sabemos como nosso sistema solar se formou, há um mistério lá fora”, disse Brad Tucker, astrônomo do Observatório Mount Stromlo em Canberra, na Austrália, que não estava envolvido na pesquisa. “Estamos sempre encontrando novos objetos como estes. Se não entendermos como nosso sistema solar se formou, não saberemos os ingredientes que são necessários para fazer uma Terra, nem a resposta para a pergunta: qual o limite do nosso sistema solar?”.

Fonte: CNN

(2)