10 Curiosidades fofíneas sobre o comportamento dos gatíneos

1. Eles podem ser alérgicos a você

Se você acha que apenas os gatos podem atacar a alergia humana, saiba que a recíproca também vale. Como os felinos estão passando mais tempo trancados em casa, muitos estão desenvolvendo alergias ao estilo de vida dos humanos. O pó de casa, a caspa humana e a fumaça do cigarro, por exemplo, podem atacar as vias aéreas dos gatos e deixá-los bastante doentinhos.

2. Nem todos são afetados pela erva dos gatos

Se seu sonho era estimular seus gatinhos com Catnip, a erva dos gatos, talvez você dê com os burros-n’água: cerca de metade deles nem é afetada pelo produto. Se apenas um dos pais for sensitivo, a chance de os filhotes também serem é de 50%. Agora, se ambos os pais forem afetados pela erva, a chance sobe para 75%.

3. Os gatos gostam de carinho

Muita gente fala que não gosta de gatos porque eles supostamente ficam estressados ao serem acariciados. De fato, existem gatos que não curtem carinhos, mas de acordo com pesquisadores da Universidade de Viena isso está longe de ser uma unanimidade. “Somente os animais que realmente não gostam de serem acariciados, mas mesmo assim permitiram, ficaram estressados”, explica Rupert Palme, que liderou a pesquisa. Ou seja, pode passar a mão à vontade em seus bichanos!

4. Animais domésticos sabem dividir o território

Apesar de os gatos conviverem em nossas casas há séculos, ainda há muito a ser explorado e compreendido sobre seu comportamento, principalmente se eles precisam dividir o espaço com outros felinos. De acordo com um estudo, eles dividem o território de forma a não criar atrito com os outros moradores do ambiente, chegando a dividir seu lugar favorito em determinadas horas do dia.

5. O cérebro dos gatos é mais complexo que o dos cachorros

O órgão representa apenas 0,9% da massa corporal dos gatos. Entretanto, a estrutura é muito semelhante à do cérebro humano. Além disso, os gatos apresentam cerca de 300 milhões de neurônios, quase o dobro dos 160 milhões que os cachorros possuem; e o córtex cerebral, que é responsável pelas informações cognitivas, é bem mais complexo que o dos cães.

6. Eles têm doenças semelhantes às humanas

Cerca de 250 doenças felinas são hereditárias, e muitas deles são semelhantes às dos humanos. Por exemplo: um defeito genético pode levar os gatos a apresentarem retinite pigmentosa, algo que afeta 1 em cada 3,5 mil norte-americanos. Os gatos também podem adquirir a imunodeficiência felina, que é bastante parecida com a AIDS. Sem contar, é claro, que eles ainda têm sua própria doença de Alzheimer.

7. O ronronar nem sempre é de felicidade

Os gatos ronronam quando estão felizes e confortáveis, porém outros estados de espírito também podem fazê-los apresentar esse comportamento. Isso pode acontecer quando eles estão doentes, idosos, feridos ou estressados. As fêmeas podem ronronar inclusive quando estão parindo seus filhotes. O ronco em baixa frequência pode estimular músculos e ossos machucados a se recuperarem com mais velocidade.

8. Eles sabem como conseguir as coisas

Se você acha que seu gato é bastante chato quando quer alguma coisa, você está certo! Eles aprendem a miar em frequências específicas que te fazem ficar irritado a ponto de atender ao seu pedido. O comportamento é bastante semelhante ao choro dos bebês. Os gatos também percebem que se esfregar na perna de seus donos pode ser uma tática para ganhar comida ou água.

9. Existe uma razão para eles beberem a água com as patinhas

É comum ver os gatinhos enfiando a patinha na água antes de bebê-la. Existem algumas explicações para isso: é possível, por exemplo, que o nível da água esteja baixo, e eles não queiram molhar os bigodes. Eles também podem estar achando a aparência da água muito “chata” e, ao molhar a patinha, eles criam ondulações que deixam o líquido mais interessante.

10. Os gatos passam a maior parte do tempo se limpando

A Universidade de Cornell estima que de 30% a 50% do tempo em que os gatos estão acordados são dedicados à higiene pessoal. O fato de eles ficarem se lambendo também tem outros benefícios, já que é algo que os conforta e estimula a circulação sanguínea. Quando eles lambem o seu dono, é uma forma de demonstrar carinho e marcá-lo como parte de seu bando.

Fonte: Mental Floss/Erin McCarthy 

(0)

Deixe uma resposta